Av. Rodrigo Otávio Jordão Ramos, 6.200, Campus Universitário da UFAM, Setor Sul, bairro Coroado - CEP 69077-900 - Manaus/Amazonas

Whatsapp +55 92  98138-2677
+55 92 4104-0031


Viva Melhor


   


  14/06/2022


ADUA publica nota: Onde estão Bruno Araújo Pereira e Dom Phillips?



 

A ADUA se soma ao clamor mundial e questiona: “Onde estão Dom e Bruno?” O jornalista e o indigenista, servidor licenciado da Funai, desapareceram, no dia 5 de junho, enquanto trabalhavam na região da Terra Indígena (TI) do Vale do Javari, no Amazonas. No dia 12, o Corpo de Bombeiros localizou objetos que, segundo a Polícia Federal, pertencem à dupla. As buscas realizadas por entidades oficiais e indígenas continuam.


O descaso do governo federal tem sido criticado pelas famílias dos desaparecidos e por entidades nacionais e internacionais. No dia 7, em entrevista, o presidente da república, Jair Bolsonaro, chegou a responsabilizar o jornalista e o indigenista pelo desaparecimento. "Duas pessoas apenas, em um barco, em uma região daquela, né, completamente selvagem, é uma aventura que não é recomendável que se faça. Tudo pode acontecer. Pode ser um acidente, pode ser que eles tenham sido executados", afirmou.


Desde o início, o governo Bolsonaro é marcado por ataques aos povos indígenas, à Amazônia e ao meio ambiente. Sob o “bolsonarismo”, órgãos como a Funai e o Ibama foram desmontados, abrindo espaço para o avanço do desmatamento, da invasão de TIs e de explorações ilegais de mineradoras, madeireiras e do garimpo, facilitado, inclusive, o tráfico internacional de drogas.

 

Leia a nota da da ADUA:

 

Onde estão Bruno Araújo Pereira e Dom Phillips?

 

               A ADUA, Seção Sindical da categoria docente da Universidade Federal do Amazonas, filiada ao ANDES–Sindicato Nacional, faz sua a mesma pergunta que o Brasil e o Mundo continuam a fazer desde domingo, dia 05 de junho de 2022: ONDE ESTÃO BRUNO ARAÚJO PEREIRA E DOM PHILLIPS? E completa: o que fizeram do Estado brasileiro? Por que a Constituição, à qual todo poder deve se submeter, é avassalada pelas ameaças do autoritarismo e das arbitrariedades de toda ordem?

 

               A considerar os diferentes graus de responsabilidade institucional, a resposta à pergunta sobre o desaparecimento de Bruno e Dom não é de outra instância senão do Estado brasileiro. Há mais de dois mil anos o filósofo, político e advogado Cícero, no livro “Sobre a República”, se questionava e respondia: “o que é, na verdade, um Estado, senão uma sociedade de direito?”

 

               O Art. 1º da Constituição de 1988, a seguir integralmente reproduzido, é transparente em sua redação:

 

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado democrático de direito e tem como fundamentos: I – a soberania; II – a cidadania; III – a dignidade da pessoa humana; IV – os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa; V – o pluralismo político.

 

Parágrafo único: todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição.

 

               Estado democrático de direito não combina com ataque ou ameaça à dignidade da pessoa humana. Quando a justiça é fraca na defesa da vida, sobretudo da vida em estado de vulnerabilidade social, prevalece a lei da força.

 

               Bruno Araújo Pereira (indigenista) e Dom Phillips (jornalista) uniram suas vidas, suas profissões, seu compromisso ético e humanitário para defender a Amazônia em seu ser social e natural. Os povos indígenas da Amazônia, notadamente os grupos isolados – e mais vulneráveis às forças do crime organizado –, sua população ribeirinha, sua megabiodiversidade, seus rios, lagos, igapós, igarapés, encontraram nas mentes e mãos de Bruno e Dom a salvaguarda ostensivamente negada pelo Estado brasileiro.

 

               A omissão criminosa do Estado brasileiro diante da destruição da Amazônia e da violência contra seus povos originários favorece e incentiva as ações do crime organizado. A Amazônia, pelo grito de seus povos indígenas e populações ribeirinhas, de seus rios e floresta, fauna e flora, exige que o Estado brasileiro dê celeridade às investigações e que a justiça seja feita aos seus guardiões BRUNO ARAÚJO PEREIRA e DOM PHILLIPS.

 

 

Manaus (AM), 14 de junho de 2022

 

Diretoria da ADUA – Seção Sindical

Biênio 2020-2022

 

 

Faça o download da Nota Pública



Galeria de Fotos
 

 

COMENTÁRIO:


NOME:


E-MAIL:

 






energia solar manaus

Manaus/Amazonas
Av. Rodrigo Otávio Jordão Ramos, 6.200, Campus Universitário da UFAM, Setor Sul, bairro Coroado - CEP 69077-900 - Manaus/Amazonas

energia verde

CENTRAL DE ATENDIMENTO:
+55 92 4104-0031
+55 92  98138-2677
aduasindicato@gmail.com

ADUA DIGITAL