Av. Rodrigo Otávio Jordão Ramos, 6.200, Campus Universitário da UFAM, Setor Sul, bairro Coroado - CEP 69077-900 - Manaus/Amazonas

Whatsapp +55 92  98138-2677
+55 92 4104-0031


Viva Melhor


   


  10/09/2021


Vitoria feminista: México aprova por unanimidade descriminalização do aborto



 

Vitória do movimento feminista, a descriminalização do aborto foi aprovada, na terça-feira (7), de forma unânime pela Suprema Corte do México. No país, a legislação sobre direitos reprodutivos é de competência local e a interrupção da gestação só não era criminalizada em quatro dos 32 estados mexicanos. A decisão é mais um avanço na luta dos direitos da mulher.

 

A decisão Supremo invalida, por exemplo, o código penal do estado mexicano Coahuila, que previa de 1 a 3 anos de prisão para a mulher que praticasse aborto, e abre um precedente obrigatório para todos os tribunais do país.

 

“À luz da Constituição, que não proíbe o aborto, o Estado pode puni-lo? Ao puni-lo, sanciona uma conduta enraizada em uma série de direitos possuídos por mulheres e por pessoas com capacidade de gerar filhos e que participam da decisão de abortar, como o direito à dignidade humana, à autonomia e ao livre desenvolvimento de a personalidade, à igualdade jurídica, à saúde e à liberdade reprodutiva. Em outras palavras, sancionar a interrupção voluntária da gravidez implica um limite a todos esses direitos humanos”, disse a ministra mexicana, Ana Margarita Ríos Farjat.

 

A ADUA, em conjunto com o ANDES-SN e a CSP-Conlutas, lutam pela descriminalização do aborto. O Sindicato Nacional entende que é direito da mulher decidir sobre o próprio corpo.

 

Em 2015, durante o 34º Congresso do Sindicato Nacional, foi deliberado que o tema deveria ser debatido nas seções sindicais. No congresso do ano seguinte, o ANDES-SN marcou posição contra a aprovação do PL 5.069/13, que tipifica o aborto como crime e prevê penas específicas para quem induz a gestante à prática do aborto.

 

Para as entidades, o aborto é uma importante questão de saúde pública. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 300 mil mulheres morrem por ano em decorrência de problemas decorrentes de abortos mal realizados, sendo a quinta causa de mortalidade materna. A interrupção da gravidez também é um tema de classe. A maior parte das mulheres que morrem em decorrência de abortos clandestinos mal realizados são negras.

 

Para saber mais, acesse a cartilha “ANDES-SN Apoia a Luta a Favor da Descriminalização do Aborto no Brasil”

 

Foto: Andrea Murcia/Reprodução

 

Fontes: com informações de IG Delas, G1, CNN Brasil e ANDES-SN



Galeria de Fotos
 

 

COMENTÁRIO:


NOME:


E-MAIL:

 






energia solar manaus

Manaus/Amazonas
Av. Rodrigo Otávio Jordão Ramos, 6.200, Campus Universitário da UFAM, Setor Sul, bairro Coroado - CEP 69077-900 - Manaus/Amazonas

energia verde

CENTRAL DE ATENDIMENTO:
+55 92 4104-0031
+55 92  98138-2677
aduasindicato@gmail.com

ADUA DIGITAL