Links Úteis
 
 
 
 
 
 
Abaixo-assinado contra a Reforma da Previdência ganha força nas ruas. 51% são contra, afirma Datafolha
Data: 12/04/2019

A campanha do abaixo-assinado contra a Reforma da Previdência apresentada por Jair Bolsonaro (PSL) está ganhando as ruas do país. A coleta de assinaturas, lançada pelas centrais sindicais no último dia 4, está sendo feita em fábricas, locais de trabalho, feiras, bairros, terminais rodoviários e outros locais públicos. A ADUA-SSind. está disponibilizando o abaixo-assinado na sede da entidade para os interessados em participar da campanha.

Entidades e movimentos filiados à Central Sindical e Popular (CSP-Conlutas) estão passando o abaixo-assinado em vários locais. Essa semana já ocorreram atividades também em São Luís (MA), Fortaleza (CE), São José dos Campos (SP), Boa Vista (RR). "É grande a receptividade dos trabalhadores e da população em geral ao abaixo-assinado, assim como a rejeição às mudanças pretendidas pelo governo Bolsonaro. Muitas pessoas também querem saber mais sobre as consequências dessa reforma para a aposentadoria dos trabalhadores", afirma a CSP-Conlutas.

Pesquisa

Segundo o Datafolha divulgou no último dia 8, a Reforma da Previdência é rejeitada por 51% dos brasileiros. São favoráveis à proposta 41%, enquanto 2% se dizem indiferentes e 7% não souberam responder.

A maior rejeição é por parte das mulheres (56%), que serão um dos segmentos mais prejudicados com a reforma. O índice supera em, pelo menos, dez pontos percentuais todas as faixas etárias até os 59 anos de idade. Entre os homens, 48% se dizem a favor e 45% contra.

Alguns dos principais pontos da reforma são também os que mais têm rejeição. A maioria é contra a exigência de idade mínima: 65% das mulheres se dizem contra os 62 anos de idade para se aposentar, enquanto 53% dos homens se opõem a mudança para 65 anos. Também há maioria contrária em contribuir 40 anos para a aposentadoria integral: 60% rejeitam. A rejeição é mais do que justificada: a exigência de idade mínima e o tempo de 40 anos de contribuição são medidas que, na prática, vão impedir os trabalhadores de se aposentarem.

Entre funcionários públicos civis e trabalhadores mais pobres, outros dois segmentos penalizados com a reforma de Bolsonaro, a rejeição também é maior. 63% dos servidores são contra a medida.

Outro dado que chama atenção é que a maioria dos brasileiros também se coloca contra regras diferentes de aposentadoria para militares (53%). Mas as apoiam para professores e trabalhadores rurais, com aprovação de 53% e 61%, respectivamente.

A Reforma de Bolsonaro garante privilégios para a alta cúpula militar, mas penaliza os mais pobres e categorias de trabalhadores que têm condições de trabalho e de vida mais penosas, como professores e trabalhadores do campo.

Greve Geral

O discurso do governo Bolsonaro a favor da Reforma da Previdência não está convencendo os trabalhadores e a maioria da população. A tarefa é intensificar a campanha e a mobilização para denunciar amplamente os ataques nefastos que essa reforma trará para os trabalhadores.

“As pessoas ficam assustadas quando percebem a gravidade dos ataques da reforma de Bolsonaro e que ela significa, na prática, o fim do direito à aposentadoria e a destruição de todo o sistema de seguridade social”, disse o diretor do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e região, Antônio de Barros, o Macapá.

“A adesão ao abaixo-assinado é muito massiva, seja nas ruas ou nas fábricas. Precisamos conscientizar os trabalhadores e ir preparando nossa classe para realizar uma nova Greve Geral. Em 2017, paramos o país e isso foi uma pá de cal sobre a reforma de Temer. Temos de fazer o mesmo agora novamente”, afirmou.

“Em Boa Vista, lançamos o abaixo-assinado no terminal de ônibus e na universidade estadual. Muita receptividade. O povo quer luta. Precisamos divulgar a campanha”, avaliou Zé Lima, diretor do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de Roraima (
Sintracomo).

Fonte: CSP-Conlutas
Compartilhe com seus amigos:
Twittar Compartilhar
 
Comentários
 
Deixe seu comentário aqui:
 
Nome: 
Email (não será divulgado): 
Comentário (sujeito a moderação): 

Av. General Rodrigo Otávio, 3000, Campus Universitário, Coroado.
CEP 69080-005 Manaus, AM. Fone/Fax (92) 98138-2677.
E-mail: aduasindicato@gmail.com [Ver Mapa de Localização]